Home

Por Mariana Stocco

A cidade de São Paulo recebe a maior exposição já feita sobre Elvis Prelsey, a The Elvis Experience, fora de Graceland, Memphis, casa do Rei do Rock, onde atualmente existe um museu.  O evento fica na cidade entre cinco de setembro e cinco de novembro, para celebrar os 35 anos da morte de Elvis Presley.

O evento chama a atenção desde a entrada. Com uma tecnologia interessante, logo quando você entrega o ingresso, você tem a opção de fazer login em uma rede social e receber via e-mail fotos promocionais do evento. Em cada estação da exposição, há um espaço que permite com que você faça “check-in” na rede social, através do código de barra estampado no crachá dado na entrada. Todas as peças expostas são originais e em cada display há um medidor de temperatura e umidade, qualquer mudança em um desses dois índices, um aviso é enviado à central.

Réplica em miniatura da casa onde Elvis cresceu em East Tupelo, Mississipi.

A primeira parte da exposição é um curto filme sobre o início da carreira de Elvis com trechos de shows e músicas. Após isso, mostra-se a vida do cantor. Tudo tem início em “East Tupelo“, Mississipi, onde nasceu, e depois continua em Memphis, Tenesse, onde cresceu. As paredes são preenchidas com placas que explicam a vida de Elvis e exibe objetos pessoais, com boletins escolares do seu ensino médio na Humes High School, em 1953, e telegramas enviados a seus pais, Gladys e Vernon Presley.

Também faz parte da exposição uma réplica da fachada da Sun Records,

Documentos originais da escola onde Elvis estudou em Memphis, Tenesse.

primeira gravadora de Elvis, e os cds originais das primeiras músicas do cantor, I forgot to remember to forget, Mystery train e Blue Moon of Kentucky. Em 1955, um ano após seu sucesso com a Sun Records, Elvis chama a atenção de Coronel Tom Parker, que vira empresário do artista e o leva a assinar contrato com a RCA, uma gravadora mais conhecida e o que o acompanha até a sua morte. Do lado da Sun Records, esta exposta uma remontagem do escritório de Parker. Na parede do escritório estão fotos de Parker e Elvis, prêmios que a gravadora conseguiu durante os 23 anos de parceria com Elvis, já na mesa está a maquina de datilografar, livros e estatuetas. Nessa sessão é possível ver os contratos assinados por Elvis em seu primeiro show na Jackson Ville, Florida, em 1955, e muitos outros contratos de apresentações e shows de TV.

Disco com a canção, I Forgot to Forget, que levou o cantor a ser conhecido.

Uma outra sala mostra o estrondoso sucesso de Elvis. Uma sala toda fechada em preto, com mocaps de silhuetas dançando e câmeras de televisão antigas. Em meados de 1956, ápice de seu sucesso, Parker consegue com que o cantor aparecesse em dois programas televisivos exibidos pela NBC, estes são exibidos por inúmeras TVs ao redor da sala. Logo na entrada dessa sala está a bela guitarra acústica Gibson Dove J-200, que leva o nome do cantor escrito em prateado, usada pelo cantor nos anos 70.

A mostra inclui o ano de 1958 quando Elvis é convocado a servir o exército norte-americano. Em

uma sala sem cores chamativas e sem a presença da voz do cantor ecoando nos alto-falantes, os objetos utilizados por Elvis em seu período de serviço são exibidos com ares de nostalgia. O chapéu, as fardas, malas, as cartas escritas à família e à filha de um capitão das Forças Aéreas, Pricilla Beaulieu, quem se tornaria sua esposa, em 1967. Em março de 1960, Elvis é dispensado do serviço militar, retornando a Graceland para a sua vida civil, de astro do rock e agora de astro do cinema.

Remontagem do escritório de Parker, que levou Elvis ao sucesso estrondoso junto com a gravadora RCA.

A partir de 1962 a vida de Elvis se torna uma rotina com uma série de filmes criticados por seu estilo inofensivo, muitas mulheres e lindos cenários cuja trilha sonora pouco tinha de rock. A sala de cinema que mostra esse estágio tem todos os 33 pôsteres dos filmes estrelados pelo Rei do Rock, no alto estão presentes 12 televisões de LCD passando trechos dos filmes. Seis anos após, Parkers percebendo que a popularidade de Elvis havia caído vertiginosamente, assinou um especial de natal com a NBC que traria de volta todo o charme do cantor. Estão expostos os scrips e a roupa de couro usada por ele no If I Can Dream, 1968.

 Os objetos pessoais de Elvis estão expostos na maior sala da The Elvis

Guitarra acústica Gibson Dove J-200 usada por Elvis nos anos 70.

Experience. Desde correntes usadas pelo cantor, broches e anotações até os seus preciosos carros. Elvis tinha verdadeira paixão por carros e isso fica explícito pela placa que recebeu por ter comprado 31 Cadilac para dar para outras pessoas, parentes e amigos. Elvis não tinha pudor em ostentar o mar de dinheiro que ganhava em seus shows – em dez anos foram 1.100 shows feitos nos Estados Unidos. Todas as correntes e pingentes de ouro, as roupas de estilistas italianos, a moto e o carrinho de golfe da Harley Davidson e os cheques com altos valores encaminhados a instituições de caridades, só mostram que o cantor não tinha medo de mostrar que ganhava muito bem.

        O closet de Elvis é, com certeza, a parte mais nostálgica de toda a exposição.  Todo o armário do cantor esta exposto para os visitantes em um amplo corredor. Na frente de algumas peças de roupas há pequenas tvs que

Um dos trajes de Elvis exposto na exposição.

mostram em qual momento o cantor usou aquilo, se foi em um show ou programa de televisão. Apesar de toda a incrível conservação, o tempo não deixou de desbotar as roupas, ficando clara a diferença de tons e a perca de qualidade do material. Todas as botas, coletes, macacões e camisas estão expostas nesse corredor. Virando à direita nos deparamos com os macacões usados nos grandes shows. Todas as vestes coloridas, e nada discretas, que o Rei do Rock usou em seus shows estão ali expostas para os visitantes.

A próxima sala, com as paredes pretas, sem música ambiente e com luzes baixas, é a última sala expositiva da The Elvis Experience. Diversos painéis mostram a primeira página de jornais de vários países, no dia 16 de agosto dePrimeira página do jornal Daily Mail falando sobre a morte do rei do rock. 1977, dia que Elvis morreu. No centro da sala há um cilindro de vidro, que vai até o teto com uma chama acesa, aqueles mais céticos diriam que aquilo simboliza que o Elvis não morreu. O astro do rock teve um ataque cardíaco fulminante, decorrente de uma elevada quantidade de drogas ingeridas.

        A última sala da exposição é uma sala simples com paredes brancas, somente com um telão que passa imagens do canto, destinada àqueles que queiram deixar frases para Elvis. As mais constantes são: “Elvis não morreu”, “ídolo”, além de agradecimentos à organização do evento, a 2share. É claro que não poderia deixar de existir uma loja no final da exposição. Apesar dos preços exorbitantes, mesmo aqueles que reclamam, sempre saem com um souvenir debaixo dos braços.

        Muito bem organizada e interativa, a The Elvis Experience traz àqueles que não têm a oportunidade de ir até Graceland, uma chance de conhecer mais de

Uma parte da parede destina à assinaturas dos visitantes.

perto o seu ídolo e comove até aqueles que estão só acompanhando. Junto com a exposição, a banda que tocava com Elvis veio ao Brasil para se apresentar em algumas cidades. São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro terão a chance de ouvir a banda de Elvis tocar ao vivo e o ídolo aparecer em gigantes telões de led. Não é a mesma sensação de vê-lo tocar ao vivo e em cores, mas essa é a primeira turnê mundial do Rei do Rock.

Veja abaixo as informações a respeito tanto da exposição, quanto do Elvis in Concert, show-tributo com músicos que se apresentaram ao lado do Rei do Rock.

The Elvis Experience
Entre 5 de setembro e 5 de novembro, de segunda a segunda, das 10h às 22h
Shopping Eldorado – Avenida Rebouças, 3.970 – Pinheiros
Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Informações: 4003-1212
Preços: (há meia entrada): R$ 40 (segunda a sexta, entre 10h e 18h), R$ 60 (segunda a sexta, entre 18h e 22h e sábados e domingo, das 10h às 22h) ou R$ 200 (premium express)

Elvis in Concert
Brasília
6 de outubro, às 21h
Ginásio Nilson Nelson – SRPN – Ginásio Nilson Nelson – ASA NORTE
R$ 2800 (mesa com quatro lugares), R$ 300 (cadeira VIP), R$ 200 (cadeira inferior), R$ 100 (cadeira superior) ou R$ (primeiros 100 ingressos da cadeira superior) – há meia entrada
Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Informações: 4003-1212

São Paulo
8 de outubro, às 21h
Ginásio do Ibirapuera – Rua Manoel da Nóbrega, 1.361 – Ibirapuera
Primeiro lote: R$ 600 (cadeira premium), R$ 500 (cadeira VIP), R$ 300 (cadeira inferior), R$ 180 (cadeira superior) ou R$ (primeiros 100 ingressos da cadeira superior) – há meia entrada
Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Informações: 4003-1212

Show extra em SP
9 de outubro, às 21h
Ginásio do Ibirapuera – Rua Manoel da Nóbrega, 1.361 – Ibirapuera
Primeiro lote: R$ 1200 (cadeira super premium), R$ 800 (cadeira premium), R$ 700 (cadeira VIP), R$ 500 (cadeira inferior) ou R$ 200 (cadeira superior) – há meia entrada
Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Informações: 4003-1212

Rio de Janeiro
11 de outubro, às 21h
Ginásio Maracanãzinho – Rua Prof. Eurico Rabelo, S/N – MARACANÃ
R$ 500 (cadeira premium), R$ 300 (cadeira VIP), R$ 200 (cadeira inferior), R$ 150 (cadeira superior), R$ 40 (primeiros 100 ingressos da cadeira superior) – há meia entrada
Vendas online: www.ingressorapido.com.br
Informações: 4003-1212

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s