Home

Por Luiza Rossi

O número de pessoas que reclamam de seus vizinhos é cada vez maior, principalmente entre as pessoas que moram em condomínios. Os motivos são muitos, de animais domésticos e crianças até mesmo adolescentes. Nas grandes cidades os problemas de relacionamentos são amplificados por conta do número de edifícios que concentram habitantes em pequenos espaços de convivência. Angela Costa mora em um condomínio de luxo na região sul da grande São Paulo e há cinco anos sofre com o barulho dos sete cães de seu vizinho. “Tenho dois filhos pequenos que não conseguem dormir por causa do barulho que esses cachorros fazem dia e noite. Já reclamei e não adianta. Eles não fazem nada”, conta.

No final do mês de setembro de 2012, uma cadela boxer teve sua casinha incendiada por vizinhos que se incomodavam com seus latidos. Sandy, a boxer de 12 anos, sofreu queimaduras graves por todo corpo e foi tratada numa clínica local, onde chegou com dificuldade para respirar, comer e com visão turva. Thaísa Kajan, a dona do animal, estava indignada e tem certeza de que foi alguém da vizinhança, pois ela e seu marido já haviam recebido bilhetes de ameaça. “Eu fui ameaçada por bilhetes de vizinhos e nada foi feito, até chegar a esse ponto dessa pessoa botar fogo na casa da cachorra. Infelizmente como ela estava com a coleira presa à casinha, ela não conseguiu escapar”, explicou a dona, aos prantos. A cadela precisou ser sacrificada devido a gravidade das queimaduras.

Imagem

Um dos bilhetes de ameaça recebidos pela dona de Sandy.

Imagem

Sandy teve 40% de seu corpo queimado.

Os animais de estimação não são os únicos causadores de problemas com vizinhos. Desde que a vizinha de Jaqueline Martinelli teve um filho, há quatro anos, ela não consegue mais dormir. “A criança chora dia e noite. A mãe grita com ela, a xinga. Eles só fazem silêncio quando o garoto pega no sono, por volta da 1h da manhã.” O menino não é o único problema que Jaqueline já enfrentou. Cerca de dez anos atrás, numa outra casa no mesmo condomínio, os filhos adolescentes de seus vizinhos sentavam na frente de sua casa, se apoiavam no seu portão e consumiam drogas até tarde. “Inúmeras vezes eu chamei a polícia quando passava das dez horas da noite. Eles saiam e, no dia seguinte, estavam de volta fazendo o mesmo barulho e fumando na frente da minha casa”, desabafou a moradora. Quando não estavam na rua, os jovens ouviam música a todo volume. “Parecia que eles colocavam as caixas de som viradas para a minha janela de propósito!”, explica.

Há diversos sites na internetdestinados a pessoas que não aguentam mais seus vizinhos. Os sites não pedem identificação e nele é possível compartilhar histórias, com direito a comentários. O advogado Bernardo Botelho explica como proceder nesses casos. “É necessário que inicialmente se procure o vizinho para conversar e tentar resolver o problema. Caso não dê certo, é recomendado que a pessoa procure o Juizado Especial de Pequenos Casos. O caso será contado diretamente ao juiz, que procurará estabelecer um acordo entre as partes. Se a medida não for cumprida, será revertida em multa.”, esclarece o advogado.

 

Um pensamento em “A paz acaba ao lado

  1. Vi a reportagem da boxer queimada viva na Record, absurdo como alguém chega a esse ponto, nunca vi um animal que além da dor física mostrasse um trauma psicológico tão grande como nesse caso, pra quem não sabe ela teve que ser sacrificada. Tomara que os vizinhos dê um pau nesse lixo que fez isso com essa cadela inocente. O ser humano é um lixo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s